Último Censo indica que 20% das cidades antigiram o pleno emprego

Segundo índice, taxa de desocupação em mais de mil municípios do país é menor que 3,5%

Publicado:4/08/12 – 18h00
Atualizado:4/08/12 – 18h27
 Paulo Roberto de Oliveira, 23, se mudou de São Paulo para Blumenau, onde trabalha na indústria têxtil Foto: Agência O Globo / Foto: Paula Giolito

Paulo Roberto de Oliveira, 23, se mudou de São Paulo para Blumenau, onde trabalha na indústria têxtilAGÊNCIA O GLOBO / FOTO: PAULA GIOLITO
BLUMENAU e RIO – “Não, não, definitivamente não conheço nenhum desempregado”, disse André Thiago Hass, de 24 anos, fazendo esforço para lembrar de algum conhecido sem trabalho. Formado em sistemas de informação, o jovem é apenas mais um dos milhares que trabalham com tecnologia na charmosa Blumenau (SC). Como falta gente com qualificação, André — da mesma forma que Júlio, Robson ou Lucas — é disputado. Mas essa escassez de pessoal chega também a setores catarinenses mais tradicionais, como o têxtil. Assim, diversificando as atividades, a cidade atingiu o que muitos chamam de pleno emprego. Blumenau, porém, com sua desocupação em 2,74%, não está só: há outras 1.132 cidades, 20% das 5.565, com taxa abaixo dos 3,5%, segundo dados do Censo 2010.
— Uma a cada cinco cidades tem desocupação abaixo de 3,5%, um patamar baixíssimo. É um indicador, ainda que pouco usado para medir a desocupação, que expressa uma espécie de pleno emprego. Essas taxas refletem o auge do emprego em 2010. De todo jeito, se um censo fosse elaborado agora, não me surpreenderia se viesse com taxas menores — disse João Saboia, professor do Instituto de Economia da UFRJ.
Desemprego zero é o que se vê em Serra da Saudade, em Minas. Pequenina, a cidade mineira é a menos populosa do seu estado (menos de mil pessoas) e sua atividade gira em torno de agropecuária. Entre os mais de mil municípios com pleno emprego, há outras centenas de tamanho reduzido e de baixa relevância para o PIB. Mas também há Jaguará do Sul (com indústrias de confecções, metal-mecânicas e alimentos) ou Brusque (setores têxtil e metal-mecânico, além de turismo) em Santa Catarina; ou Nova Serrana (calçados), em Minas; ou Santa Cruz do Capibaribe (confecções), em Pernambuco. No Rio, a única praticamente sem desemprego é Sumidouro, a menos de 200 km da capital.
— O crescimento é o que melhor explica essa fotografia do Censo. Políticas públicas, como de transferência de renda, aumento do salário mínimo, contribuíram para que o desemprego atingisse um patamar baixo — explicou Cláudio Dedecca, professor de Economia da Unicamp, acrescentando que o envelhecimento da população também mexe com as estatísticas. — Não se pode ignorar que muitas dessas mil cidades podem ter baixa atividade econômica (sem emprego, as pessoas não procuram trabalho), ser cidades dormitórios ou ter muitos inativos.
O Censo é o único indicador que traz dados de todas as cidades, ao contrário da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) com informações de regiões metropolitanas. O Caged, que traz o saldo dos empregos formais, aponta para uma desaceleração por causa da crise externa. De janeiro a junho de 2010, foram criadas 1,63 milhão de empregos, ante 1,04 milhão até junho de 2012. Vagas são abertas, mas num ritmo menor.
*Enviada especial

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/ultimo-censo-indica-que-20-das-cidades-antigiram-pleno-emprego-5693175#ixzz22gT4v0Lq
© 1996 – 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s