Geisy, Uniban e a nova classe média

O episódio envolvendo a jovem Geisy, estudante da Uniban, escorraçada, humilhada, vítima de uma patrulha moral que há algum tempo não se via atuando de forma tão clara colocou algumas questões que ainda não foram debatidas.
Jovens com vestidos curtos, calças apertadas e blusas com decote não é nenhuma novidade no Brasil, e certamente que não é também em centros universitários. Aliás, é justamente nestes campis onde coisas ainda não aprovadas na sociedade em geral, como fumar maconha, e algum tempo atrás dormir e transar com o namorado e mais um amigo, acontecem.
Mas por que agora e justamente numa Faculdade tal coisa aconteceu, a humilhação da jovem Geisy? Em primeiro lugar é preciso entender que o público universitário, especialmente em instituições particulares, não é mais o mesmo de alguns anos antes. Em segundo, o discurso que vigora nestas instituições e o sentido que elas ganharam dos anos 2000 para cá.
Desde os anos 2000 que cada vez mais o discurso das faculdades deixou de ser voltado para os alunos e passou a ser dirigido para o cliente e suas demandas. As faculdades, as que deram certo do ponto de vista financeiro como a Uniban e Anhanguera, por exemplo, passaram a ser empresas com roupa de escola, muito mais do que escola com vocação de empresa.
Estas mudanças, que não pequenas, trouxeram para dentro das faculdades outra ética, a ética do consumo. A faculdade é neste sentido apenas o entreposto entre o colegial e o diploma universitário. Isso por que a formação universitária está mais ligada ao ajeitamento de mão de obra para um mercado ávido de novas energias – não interessando exatamente a hiperqualificação – e que será o lugar onde está mão de obra se formará de fato. Dados do MEC mostram que 80% de todos os formados em quase todas as áreas não trabalham na carreira em que se formaram. Este dado diz tudo.
Isso tudo ocorre como conseqüência da emergência de uma nova classe média vinda à existência a partir das políticas sociais e econômicas geradas no governo Lula. De um lado, formação universitária para atender a clientela mais interessada em diploma do que qualificação, de outro, uma política social e econômica geradora de oportunidades exigente de gente nova e mais ou menos preparada para ascender os motores destes novos tempos.
Ora, o público formador das faculdades particulares é hoje em sua maioria esta nova classe média ascendente e ávida por oportunidades. Chegando a faculdade sem nunca terem lido um único livro, saem delas da mesma forma. Isso por que a idéia é simplesmente se apossar de um símbolo típico da velha classe média, escolaridade universitária, assim como já se apossam de outros como uma geladeira duplex, uma televisão de 29 polegadas, achocolatados, iogurtes e carro.
As faculdades, é o caso da Uniban, apenas oferecem aquilo que encontra enorme demanda – diploma. O que vimos acontecer com a Geisy é fruto de uma moral popular quase religiosa transportada das vilas, bairros, favelas e outros lugares ainda permeados por uma ética comunitária e de grupo para uma instituição universitária. Não é a Uniban que não transforma os alunos que lá estudam em pessoas abertas, arejadas e conectadas com a modernidade e as idéias iluminadas. Mas os alunos que fazem a Uniban e querem dela apenas aquilo que foram lá buscar, diploma. Os sentimentos, comportamentos, visão de mundo dos clientes da Uniban continuam os mesmos que possuíam antes de lá estudarem. A Uniban nunca se pretendeu ser uma Universidade em seu sentido literal, ela é o que ela é, uma empresa motivada por lucratividade e mais espaço no mercado, assim sendo, apenas vende o produto de alta demanda no mercado em seu entorno.
A Geisy foi vítima não do fracasso da Uniban – a Uniban é um sucesso empresarial -, mas de uma moral conservadora e reacionária que pode estar latente nesta nova classe média. Aliás, reacionarismo e conservadorismo é uma marca clássica da velha classe média brasileira.
Luciano Alvarenga, Sociólogo http://www.lucianoalvarenga.com.br/
Anúncios

3 respostas em “Geisy, Uniban e a nova classe média

  1. Oi Luciano!Ainda não tivemos a oportunidade de conversarmos pessoalmente, mas desde 2007 eu recebo seus emails, talvez por pertencer a alguma lista de docentes, ou colegas, sei lá… Enfim, gostaria de te parabenizar. Confesso que daquilo que já li que você enviou, este texto eu realmente apreciei. A mão de obra formada para atender ao mercado de um lado, e os fornecedores de diploma de outro, formam um vínculo perverso e desejável para muitos… Porém muito distante do que pode ser considerado saudável para o indívíduo ou a sociedade. Fiquei pensando ainda, no distanciamento humano que esta relação estimula, e na verdade a Geisy, enquanto representante simbólico, precisando ser eliminada porque provocou nas pessoas um desconforto maior do que elas poderiam suportar, ou seja, revelou a seus pares a farsa que estava acontecendo… É como se ela tivesse denunciado, por meio das suas roupas e postura ousadas, a imagem da própria Uniban, que ao ser vista refletida na estudante, cuidou de eliminar logo, porque afinal, ninguém quer assumir que compra diploma, ou que o aluno cliente sempre tem razão ao pagar sua mensalidade. O jogo do faz de conta deve permanecer, para que a empresa escola pareça séria, de valores morais elevados, e sua clientela competente, capacitada, estudada. A Geisy despiu a Uniban ao encurtar seu vestido!!! Não foi apenas o seu corpo que ficou à mostra, mas a Uniban, que revelou realmente, como você coloca, que nunca pretendeu ser uma universidade, mas somente uma empresa prestadora de serviços aos clientes atuais.Forte abraço,Renata Cristina Gonçalves de Sousa Zanusso

  2. Como diz Luciano Alvarenga:-Vamos aos fatos.Uma moça bonita com o corpo bonito aparece na faculdade com um vestido curto,até ai diriamos que esta tudo normal.Agora vamos analisar as pessoas a sua volta que tiveram uma atitude representando o tempo das cavernas.Que tipo de moça se prestaria ao papel de gritar em uma faculdade piranha e outras palavras bonitas de se dizer em nosso dia dia.Que tipo de moço correria atras de uma mulher como se ele nunca tivesse visto tal coisa.Poderiamos dizer que uma mulher que esta de bem com ela mesma olharia a moça e pensaria,nossa adorei o vestido quero um igual,vou ficar sexy como ela.Um homem que tem uma vida sexual normal pensaria,nossa ,sera que se eu convidar ela para uma cerveja a resposta será sim.Analisando deste ponto de vista podemos ter a resposta para tudo que ocorreu na Uniban.Quem quer ser algo mas não pode se revolta,quem quer para si tambem.E que nesse mundo não importa o que você faz ,seja certo ou errado,desde que faça bem escondido,sem publico e testemunhas.Fume maconha,cheire cocaina,transe com Deus e o mundo,faça racha,espanque sua namorada,beba e dirija…Mas por favor não deixe ninguem filmar e colocar o youtube.Camila Alvarenga

  3. Só de pensar que esses estudantes idiotas da Uniban podem ser no futuro um advogado ou um médico meu, já me dá arrepios. Eu vi alguns deles em um programa de TV. É de chorar! Até o Zé Simão da Folha tirou sarro, pelo fato deles tropeçarem na língua portuguesa durante a "entrevista". É deprimente. Faz tempo que estudo deixou de ser sinal de inteligência. Um cara que liderava uma organização nazista, no ano passado, no sul e foi preso em São Paulo, tinha 3 faculdades. Que venha o caos!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s